Tempo de Ideias
 
Acompanhe sua Matrícula
 
 
  Esqueceu seus dados?  
Principal     Quem Somos          Cursos          Inscrições          Notícias           Perguntas Frequentes           Contato          Mais Informações     
 
Notícias
 
04/07/2013 - 18h14
As tecnologias não podem ser vistas como inimigas
À contramão dessa perspectiva, pesquisadores estão se mobilizando para comprovar a eficácia dos dispositivos móveis na educação.
 
 
RedaçãoTempo de Ideias com informações da Porvir

O uso dos dispositivos móveis é apontado por especialistas como uma modalidade de ensino-aprendizagem que é utilizada tanto dentro quanto fora da sala de aula. Porém, o uso dessas ferramentas ainda é visto com certa desconfiança por muitos educadores e gestores. À contramão dessa perspectiva, pesquisadores estão se mobilizando para comprovar a eficácia dos dispositivos móveis na educação. "Existem inúmeras escolas em que o aluno não pode entrar com o celular. Precisamos romper essa barreira, a de que o aparelho é um inimigo", afirma Antônio Carlos Xavier, pesquisador-chefe de Nehte (Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia Educacional), da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco).
Para ampliar a discussão sobre o tema, Xavier, que também é titular em linguística na UFPE, está coordenando o 5o Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação, que acontece no mês de novembro em Recife. O congresso pretende discutir a integração de celular e tablets às práticas pedagógicas, com a proposta de sensibilizar os educadores para o uso cada vez mais frequente dos aparelhos móveis.

No Brasil, iniciativas estão mostrando que o uso concreto e produtivo desses dispositivos está contribuindo para engajar os alunos no aprendizado. "A partir dos dispositivos móveis, os estudantes podem gravar, escutar e reescutar o que produziram. Podem receber conteúdos enviados diretamente pelos professores, até receber as tarefas e treinar idiomas por meio do envio de torpedos aos amigos. A mobilidade é o principal trunfo desses aparelhos, que podem ser acessados a todo momento e em qualquer parte", afirma.

Segundo Xavier, o uso dos dispositivos surgiu para dar conta da educação em situações extraordinárias que impediam os estudantes de frequentarem a escola - como em guerras, catástrofes e conflitos armados. Hoje, no entanto, eles vêm ajudando, muito mais além de uma modalidade de ensino alternativa e complementar ao ensino presencial.
Xavier, porém, aponta dois dos principais desafios à adoção das mídias móveis em sala de aula: a capacitação tecnológica dos professores e a descentralização do protagonismo docente. Ele afirma que a formação é necessária para que o educador consiga desenvolver conteúdos específicos para a utilização efetiva desses aparelhos. "Quando a gente quer mudar, a gente vai atrás. Se o professor ficar esperando iniciativas do governo, nada vai acontecer", afirma. "Fazer aulas tecnológicas é algo muito mais trabalhoso do que por um pincel no bolso, esboçar um esquema no quadro branco e falar, falar, falar... O professor precisa entender a tecnologia lhe dará vantagens", completa.

O outro desafio ao professor é encarar um novo modelo de educação que se apresenta, o de tornar-se mais facilitador de conteúdos do que protagonismo hegemônico em sala de aula. "O educador precisa compartilhar com seus alunos. Seu papel agora é muito mais de um facilitador de conexões do que um fornecedor de informações. Ele não pode competir com o Google", diz ele, que completa: "Vamos nos capacitando, os alunos também. É uma questão de convencer que ferramentas conspiraram a favor da educação", afirma.
Atualmente, estão nas mãos dos brasileiros 264,5 milhões de celulares, segundo dados divulgados em abril pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). De acordo com Xavier, esses aparelhos, que são manuseados facilmente pelos jovens, sobretudo para entretenimento, devem ser mais bem aproveitados pelos professores para fins pedagógicos.

 
Outras Notícias
  1. [Tecnologia Educacional] 15/05 | 23h56 Brasil Inteligente e o futuro da conectividade nas escolas Tonia Casarin, gestora de projetos do ITS Rio, analisa os pontos de destaque e os que merecem atenção no novo programa de banda larga para o ensino.

  2. [Tecnologia Educacional] 14/07 | 09h43 Coreia do Sul tem acampamento 'detox' para jovens viciados em celular A Coreia do Sul é o país com a maior concentração de smartphones do mundo. Cerca de 70% da população tem um aparelho do tipo.

  3. [Tecnologia Educacional] 11/07 | 19h14 MEC vai criar universidade federal de educação a distância Mercadante ressaltou que enquanto no Brasil cerca de 15% dos estudantes do ensino superior estudam nessa modalidade.

  4. [Tecnologia Educacional] 09/07 | 15h13 Brasil chega a 265,5 milhões de linhas de celulares em maio A maioria das linhas registradas em maio (79,65%) é pré-pagos.

  5. [Tecnologia Educacional] 04/07 | 21h12 Jovens criam tecnologias para acessibilidade Além de auxiliar no processo de inclusão de jovens com deficiência, esse tipo de tecnologia permite um aprendizado em duas vias.

+ veja mais notícias
 
 
 
 
 
A cada dia que passa, tenho a certeza de que o grande desafio das empresas está na gestão de pessoas. Mais do que cuidar de números, desenvolver produtos/serviço, administrar expectativas, traçar estratégias são as pessoas que fazem as coisas acontecerem no processo de gestão empresarial. O Tempo de Ideias significa dar poder ao indivíduo para encontrar soluções de problemas cada vez mais complexos em uma sociedade em transformação constante. Convido você a participar dos programas de educação continuada e interativa no segmento de negócios. Sejam bem vindos!
 
Thales Brandão
Idealizador do Tempo de Ideias e Editor Executivo do Portal CidadeMarketing
+ veja mais
Facebook Twitter
LinkedIn YouTube
 
 
 
 
 
Tempo de Ideias
 
www.joww.net
                   Quem Somos     Cursos     Inscrições     Notícias     Perguntas Frequentes     Contato     Mais Informações     Termos de Uso     Políticas de Privacidade
Cadastre-se Facebook Twitter LinkedIn YouTube